Como a responsabilidade social das empresas motiva um futuro mais sustentável

A imagem ilustra um binóculo, como alusão ao grande alcance de visão das empresas que fazem uso da responsabilidade social em suas ações.

Nós, que trabalhamos no setor de outsourcing de impressão, vivemos um paradoxo ao refletir sobre a responsabilidade social da empresa, que necessita colocar a sustentabilidade em prática. 

Como vamos pensar nela, se quanto mais o cliente final utilizar a impressora e seus suprimentos, como o papel, mais iremos lucrar? 

Mesmo que essas sejam questões complexas, ainda existem maneiras de amenizar impactos.

Buscando outras soluções para essa contradição, é necessário também entender o completo significado dessa palavra. Quando falamos sobre sustentabilidade, compreende-se que ela engloba diversos fatores além do meio ambiente. 

De acordo com o dicionário Dicio, seu significado é o seguinte: 

Significado de sustentabilidade, de acordo com o dicionário Dicio.
Fonte: Dicionário Dicio

Trouxemos até você aqui no nosso blog, alguns artigos que discorrem sobre a economia de suprimentos e como descartá-los da melhor forma, e o quanto essas atitudes são favoráveis ao meio ambiente.

Você pode realizar a leitura deles acessando os links abaixo!

Ilustração de um maço de folhas, embrulhado em uma fita de presente, representando a importância do papel e a necessidade da implementação de políticas de impressão.

Imagem de um galho de árvore, ao seu lado há o personagem Pac-Man que em linha reta vem comendo folhas de papel. Ilustração de Impressão e sustentabilidade.

Ilustração de uma lixeira e alguns toners e cartuchos sendo jogados dentro.

Em recente pesquisa realizada pela Opinion Box com 2.203 pessoas, disponibilizada pela Forbes, resultou que, empresas sustentáveis ganham a preferência de 82% dos brasileiros. E, 37% dos participantes afirmaram já ter deixado de consumir produtos de empresas que não levam essa pauta adiante

Percebe-se que ela está se tornando cada dia mais importante, e dar valor a essa temática traz benefícios para a sua empresa e a sociedade. Esse fato está enfatizado pela criação de normas como a ISO 26000 e o surgimento das B Corps – você as conhece? 

Para familiarizar-se com todos esses conceitos, compreender melhor como funcionam essas organizações e a trabalhar os pilares da responsabilidade social dentro da sua empresa, siga a leitura deste artigo! 

A responsabilidade social ultrapassando as fronteiras da empresa

O Instituto Brasileiro de Sustentabilidade (INBS), criou uma norma orientadora apresentando recomendações quanto a criação de políticas empresariais baseadas na sustentabilidade, a ISO 26000.

O conceito dessa norma e, as motivações que levaram à sua criação, estão estabelecidos no site do INMETRO, que diz o seguinte: 

“Segundo a ISO 26000, a responsabilidade social se expressa pelo desejo e pelo propósito das organizações em incorporarem considerações socioambientais em seus processos decisórios e a responsabilizar-se pelos impactos de suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente. Isso implica um comportamento ético e transparente que contribua para o desenvolvimento sustentável, que esteja em conformidade com as leis aplicáveis e seja consistente com as normas internacionais de comportamento.”

Trazendo 07 pilares, esse documento aborda diferentes temas e assuntos relacionados à responsabilidade social, são eles: 

  1. Direitos humanos;
  2. Práticas do trabalho;
  3. Meio ambiente;
  4. Práticas leais de operação;
  5. Questões de consumo;
  6. Envolvimento comunitário e desenvolvimento;
  7. Governança organizacional.

A sustentabilidade ultrapassa o pensar no meio ambiente, e podemos construir possibilidades para sermos de fato mais sustentáveis, não apenas em ações pontuais visando propagandas, mas pensando na responsabilidade social como um todo. 

Uma empresa verdadeiramente social, pensa em todas as pessoas que estão envolvidas nesse trabalho, direta ou indiretamente. E, começando por quem trabalha para ela, compreendem-se inúmeras atitudes que podem ser adotadas para realizar mudanças dentro do próprio ambiente.

Desenvolvendo ações saudáveis internamente, proporcionando planos de saúde e estimulando o uso deste, incentivando ainda cuidados com saúde mental, oferecendo parcerias com psicólogos, ou realizando rodas de conversas sobre o tema. 

Cuidando de todas as questões ergonômicas que afetam o bem-estar dos colaboradores, afinal, trabalho e vida pessoal não são coisas separadas, e uma empresa que se preocupa de verdade com seus colaboradores, certamente terá melhores resultados, não somente de retorno financeiro, mas também de felicidade e satisfação com o ambiente de trabalho.

Agindo de maneira ética e justa com os clientes, sendo honesto com os serviços que terá condições de ofertar, entendendo a necessidade e o contexto de cada um. 

Se preocupando com a sociedade em geral, entendendo os impactos que sua empresa gera na comunidade em que está inserida, e de que forma pode contribuir para melhorias nela.

Além da arrecadação e distribuição de alimentos, roupas, atividades educativas, entre outras ações, todos nós temos algo a ensinar, e esse aprendizado pode fazer a diferença na vida das pessoas. 

Sustentabilidade também é sobre isso, é querer prosperar e pensar no restante da sociedade, em qual seu papel na comunidade em que está inserido e como podemos tornar esse mundo menos desigual.

Descubra o que são as Empresas B (ou B Corps), e como elas associam lucro com responsabilidade socioambiental

O surgimento do “Movimento Global de Empresas B” deu-se nos Estados Unidos no ano de 2006 e, desde então, vem ganhando adeptos por todo o mundo. Ele visa garantir benefícios sociais e ambientais, além de uma gestão exemplar, combinada com transparência perante toda a sociedade. 

O site Sistema B Brasil, traz quais são cada uma das empresas certificadas no Brasil, abordando ainda um panorama sobre quantas já receberam o selo B no Brasil, na América Latina, e em todo o mundo:

Quantidade de Empresas B no Brasil, LATAM e no mundo.
Fonte: Site Sistema B Brasil

Para conseguir a certificação, a empresa passa por uma avaliação que mede o impacto geral que ela possui, aguardando em uma fila de avaliação e após passa ainda por uma verificação. 

Necessitam, ainda, preencher alguns requisitos, sendo eles:

  • Ser uma entidade com fins lucrativos;
  • Possuir mais de 12 meses de operação;
  • Ser uma empresa completa e distinta;
  • Operar em mercados competitivos;
  • Adicionar as Cláusulas B em seus contratos.

A cláusula B refere-se a uma alteração no contrato social, incluindo mais 02 cláusulas, as quais dizem respeito à preservação do interesse tanto dos seus acionistas, como também da sociedade, e ainda quanto aos seus efeitos econômicos, sociais, ambientais e jurídicos.

Fica aqui, como dica de um conteúdo extra sobre o assunto, um episódio do podcast da The Shift, onde foram entrevistados representantes de empresas as quais aderem o este movimento em nosso país:

Episódio Empresas do B, produzido pelo podcast The Shift, no Spotify.
Episódio Empresas do B, produzido pelo podcast The Shift, no Spotify.