Conhecendo 11 modelos de negócio: B2B, B2C, B2E, B2G, G2B, G2C, B2B2C, C2C, B2I, C2B, D2C

Ilustração de uma fechadura de porta com uma escada dentro dela.

Inevitavelmente, inclusive aqui no #BlogDaPrintWayy, você já ficou cara a cara com as siglas B2B, B2C, H2H (entre outras tantas) que (não são fórmulas químicas) significam e indicam modelos de negócio.

Além do B2B e do B2C que são populares, existe uma variedade de outros modelos de negócio, muitos deles surgiram a pouco tempo e, são advindos do e-commerce.

Se você é um fiel escudeiro, ou melhor dizendo, um seguidor, do nosso blog já sabe o quão é importante saber a linguagem que envolve o seu negócio ou trabalho para poder se comunicar de forma efetiva.

Nós já lançamos 02 edições do Glossário do Outsourcing de Impressãoa última versão contém mais de 100 termos que são frequentemente utilizados entre os profissionais da área.

Letras do alfabeto simbolizando o glossário do outsourcing de impressão.

Mas, para os negócios fluírem o esclarecimento dos termos dos modelos de negócio também é útil, válido e tem o seu valor.


Eu já vi isso por aqui? Onde foi?

Compartilho contigo algumas das nossas publicações que abordam alguns dos termos dos modelos de negócio:

Ilustração de uma pirâmide no deserto. A ilustração representa os elementos de valor do B2B que são apresentados em forma de pirâmide.

Ilustração de um homem com um celular na mão e de uma mulher com um telefone fixo na mão, o fio do telefone fixo enrola os dois. Representa as pessoas que estão envolvidas nos processos de compras no B2B.

Ilustração de Neil Rackham, criador da metodologia SPIN Selling, atrás de livros.. A ilustração representa metodologia SPIN Selling, a qual é abordada na publicação.

Veja outros posts com assuntos relacionados:

Modelos de negócio

01 → B2B (business to business | de empresa para empresa) 

Neste modelo de negócio, a relação de consumo é entre empresas e, não envolve o consumidor final. A venda/compra tem a finalidade de suprir uma necessidade da empresa para que esta sim possa atender o consumidor final. 

02 → B2C (business to consumer | da empresa para o consumidor)

Este é o modelo de negócio mais tradicional. A relação comercial ocorre entre a empresa e o consumidor final (ou para o shopper – veja mais detalhes na próxima sessão deste post) e, não envolve nenhuma intermediação de terceiros. O B2C também é conhecido pelo termo “vendas diretas” já que ele envolve uma operação de consumo feita diretamente por uma pessoa, podendo ela ser um shopper ou o próprio consumidor. 

03 → B2E (business to employee | da empresa para o funcionário)

A relação do B2E ocorre quando a empresa fornece descontos, formas de pagamento que não são aplicadas para o mercado, assim, os funcionários, assim podem comprar os produtos ou os serviços da empresa a qual trabalham de forma diferenciada. 

04 → B2G (business to government | da empresa para o governo)

O B2G envolve a relação comercial entre empresas que vendem ou, prestam seus serviços, para o governo (municipal, estadual e federal). É comum que as empresas focadas neste modelo de negócio estejam atualizadas com as informações de portais de compra e dos órgãos públicos, pois são eles que abrem uma concorrência pública (licitação) e delimitam as regras para participar e escolher a empresa vencedora, ou melhor dizendo, a que irá vender seu serviço ou produto para o governo. 

05 → G2B (government to business |do governo para a empresa)

O G2C descreve o relacionamento entre o governo (seja ele federal, estadual ou municipal) com empresas fornecedoras de informações para o público (que são as empresas do B2G) como editais, pregões eletrônicos, licitações, tomadas de preço e carta convite. 

06 → G2C (government to citizen | do governo para o cidadão)

Do governo para o cidadão, é a relação comercial dos órgãos públicos para com a população. Esta pode se dar via o pagamento de impostos, taxas, multas e tarifas, sejam elas por meio eletrônico ou físico. Também pode incluir este modelo de relógio os portais eletrônicos que restam esclarecimentos e informações sobre, por exemplo, datas de manutenção na rede elétrica ou de água e esgoto (em caso de estatais, por exemplo), ou o horário da coleta seletiva do lixo por bairro, ou zona da cidade. 

07 → B2B2C (business to business to consumer | de empresa para empresa para o consumidor)

A relação de consumo no B2B2C ocorre entre empresas, entretanto, o objetivo é atingir o consumidor final. Os supermercados são um bom exemplo deste modelo de negócio, eles compram de outras empresas (B2B), mas eles não consomem, eles vendem diretamente para o público consumidor (B2C). Por isso, o agrupamento dos modelos B2B e B2C, deu origem à negociação B2B2C. Os marketplaces online é uma outra forma de exemplificar e entender esta relação.

08 → C2C (consumer to consumer | de consumidor a consumidor)

Pode soar estranho existir um modelo de negócio baseado na relação entre consumidores, mas recentemente ele foi cunhado e já é praticado há bastante tempo. O C2C ocorre quando pessoas comuns (consumidoras) vendem produtos que elas já compraram (e usaram, ou não) diretamente para outra pessoa. Podemos usar de exemplo, para facilitar a compreensão, a venda de itens diversos por meio das mídias sociais e, de sites que permitem a venda e a compra sem o intermédio de uma empresa. A economia colaborativa se enquadra neste modelo de negócio! 

09 → B2I (business to investor | da empresa para o investidor )

Neste modelo de negócio a relação comercial se dá entre a empresa e o futuro investidor (ou, investidores) e funciona como uma prestação de contas, onde a empresa que está se vendendo para o investidor  apresenta seus projetos, dados e informações. 

10 → C2B (consumer to business | de consumidor para a empresa )

O C2B é o tipo menos conhecido e menos mencionado de todos os 11 modelos de negócio. O C2B acontece quando um consumidor gera valor espontaneamente para a marca e esta o usa a seu favor, por exemplo, você escreve uma avaliação online sobre algum produto e a empresa utiliza esta avaliação em sua comunicação de marketing.

11 → D2C (direct to consumer | da indústria para o consumidor)

O Direct to Consumer (D2C) está rapidamente se tornando popular entre os fabricantes. O D2C é um modelo de negócio que se assemelha com o B2C. Aqui a diferença está na fonte provedora do serviço ou do produto, em vez de ser uma empresa que vende a comercialização se dá diretamente pela indústria fabricante. É comum ouvirmos a expressão “preço direto de fábrica” isto quer dizer que a indústria está vendendo diretamente (o que resulta em um valor mais baixo já que muitos impostos acabam isentos ou menores) e também há o maior controle sobre o uso da marca, sua reputação e resultado das ações de marketing. 

Entendendo o que é shopper, consumidor final e stakeholders

Cada um no seu quadrado! Por isso vamos logo dando os devidos lugares a cada um destes termos ou, pessoas, já que são elas que interpretam estes papéis dentro da comunicação de marketing.

QUEM É O SHOPPER

O shopper é a pessoa que realiza a compra – vai ao ponto comercial e escolhe o produto ou o serviço e paga por ele. Por exemplo, um pai e uma mãe que compram os produtos de higiene para os filhos (desodorante, creme dental, entre outros) ou, os pais que escolhem o curso de inglês, fazem a matrícula e pagam, mas não são eles quem consumirão e sim os filhos. Muitas vezes o shopper também consome o produto. 

O shopper: 

  • Realiza a compra;
  • Passa pela experiência de compra;
  • Tem o poder de decidir sobre a marca, preço e local de compra;
  • Pode ser influenciado pelo ponto de venda (PDV);
  • Avalia custo/benefício.

QUEM É O CONSUMIDOR?

O consumidor é a pessoa que faz o uso do serviço ou que consome o produto, seja este adquirido por ela mesma ou por outra pessoa (o shopper). Às vezes o consumidor acompanha o shopper na hora da compra. Usando o mesmo exemplo dito acima, o filho adolescente pode ir junto com os pais ao supermercado, mas ele não compra só acompanha e, após faz o uso. Assim como é ele que consome as aulas do curso de inglês. 

O consumidor:

  • É quem utiliza o produto/serviço;
  • Avalia a qualidade do produto;
  • É influenciado pelas mídias;
  • Desenvolve relação com a marca;
  • Vive a experiência por meio do uso e interação com a marca.

QUEM SÃO OS STAKEHOLDERS?

Entende-se por stakeholders todas as pessoas de todos os grupos de interesse (e, que de alguma forma são afetados) de uma empresa. Logo os shoppers e os consumidores fazem parte dos stakeholders, entram nesta lista também os colaboradores da empresa e seus familiares, os veículos de comunicação e de mídia, as empresas fornecedoras, o governo, a comunidade local, os concorrentes, os investidores, parceiros de negócios, sindicatos e ONG’s. 

Público-alvo X Cliente Ideal X Buyer Persona: se você quiser ver quem é quem nessa briga eu lhe convido a se inscrever na Trilha do Marketing para Outsourcing de Impressão. Veja só um pouquinho do conteúdo:

O que é público-alvo?

É um recorte demográfico, socioeconômico e comportamental que representam o perfil de um grupo de pessoas que a empresa determina como futuros consumidores do seu produto ou serviço. É uma definição muito abrangente e dificulta a personalização das mensagens, resultando em uma comunicação massiva e com menor assertividade.

O que é cliente ideal?

O Ideal Customer Profile (ICP), ou o cliente ideal, é uma descrição que resume o seu melhor cliente. Você deve levar em consideração mais fatores, como a frequência de compra, o valor do ticket médio das vendas e o potencial de recomendação dos seus produtos ou dos seus serviços a outras pessoas.

O que é buyer persona

Buyer persona (ou simplesmente persona), em marketing, é um personagem fictício construído a partir de etnografia de pessoas reais, com características psicológicas, que representa um grupo com qualidades e comportamentos parecidos.

Veja o conteúdo programado:

Imagem com a programação da trilha do marketing para outsourcing de impressão.

Convite para parrticipar da trilha do marketing para outsourcing de impressão.

Você conhece, além destes 11 modelos de negócios, algum outro? Comenta aí!